como-lidar-luto-infantil-luto-curitiba

Luto infantil: como falar sobre a morte com as crianças

Falar sobre a morte de uma pessoa querida é sempre muito difícil, ainda mais quando o assunto precisa ser tratado com as crianças. Afinal, como explicar para os pequenos algo que até mesmo os adultos têm dificuldade de compreender? É natural que a família deseje poupá-los do sofrimento tentando esconder o fato, mas essa não é a melhor decisão a ser tomada.

Assim como na fase adulta, o processo de luto infantil também passa por alguns estágios e a sua elaboração pode acontecer de acordo com a idade, processos de aprendizagem, experiências anteriores, fatores socioambientais, etc.

Se você convive com crianças e ainda tem receio em discutir sobre o tema, então esse conteúdo o ajudará a lidar melhor diante de uma situação de perda. Além disso, traremos algumas dicas de como abordar a morte de maneira lúdica e sensível. Boa leitura!

Como é a compreensão da morte para as crianças?

Você já parou para refletir que desde bebês somos direcionados a lidar com perdas? Primeiro, os pais nos tiram da cama para dormirmos em nosso próprio quarto, depois vem a fase de se sentir “abandonado” por ser deixado na escola e, conforme o tempo vai passando, outros vínculos vão sendo rompidos.  O falecimento do animalzinho de estimação, a separação dos pais e até mesmo a ausência de afeto deixam marcas desde a infância.

No entanto, o luto infantil não pode ser generalizado e deve ser observado de acordo com a idade e a realidade de cada indivíduo. À medida que a criança vai amadurecendo, a concepção de morte vai tomando forma e se tornando mais compreensível. Segundo estudos, essa ideia vai de encontro com a teoria do desenvolvimento cognitivo, de Jean Piaget:

  • Antes dos 3 anos: nesse período, a criança ainda não sabe o conceito de morte e a enxerga apenas como ausência e falta.
  • De 3 a 5 anos: nessa faixa-etária, a criança já associa a morte a algo ruim. Sentimento de culpa e pensamentos agressivos podem ser recorrentes.
  • De 7 a 11 anos: a partir desse momento, a criança passa a ver a morte como algo inevitável e começa a compreendê-la como parte do ciclo da vida.
  • Após os 11 anos: nessa fase, a criança tem um entendimento mais profundo sobre a morte, sendo possível conversar sobre o assunto de forma clara e objetiva – ainda com muita cautela.

Ainda que seja possível ter uma noção de como a morte é vista conforme a faixa-etária, não é possível afirmar que todas as crianças terão a capacidade de assimilá-la nos períodos citados acima. Por exemplo, os pequenos que tiveram experiências precoces em relação a perdas estão mais propensos a entender a ideia de finitude antecipadamente.

Importante ressaltar que a forma como os pais ou responsáveis tratam a temática também influencia na compreensão do luto. Por isso, é fundamental ficar atento aos sinais e dialogar adequadamente com os filhos a respeito do tema.

Saiba também: Como lidar com a perda gestacional e neonatal?

Como explicar a morte para as crianças?

Antes de qualquer coisa, o mais importante é agir com transparência e explicar à criança que a morte é algo natural e que todos passarão por isso em algum momento da vida. Mesmo que não tenha tido nenhuma perda na família, é fundamental que o assunto seja abordado dentro de casa e também no ambiente escolar, por meio de recursos lúdicos como filmes, livros e brincadeiras.

Caso tenha ocorrido o falecimento de uma pessoa próxima à criança, jamais minta ou esconda a situação, pois essa atitude pode gerar culpa e até mesmo desconfiança em relação ao que é dito pelos adultos. Além disso, evite falar da morte utilizando fantasias como “virou uma estrelinha”, “se tornou um anjinho” ou “foi para o céu”. Esse tipo de figura de linguagem pode provocar insegurança e incompreensão.

Sabemos que é difícil para os pais ou responsáveis – que também estão passando pelo processo de luto – responder aos questionamentos dos filhos de forma tranquila. Porém, segundo artigo publicado pelo Instituto de Psicologia da USP, favorecer o diálogo e compartilhar sentimentos (como tristeza e saudade) são comportamentos naturais e que não devem ser ocultados das crianças.

Para simplificar, uma comunicação clara e adequada à idade e às experiências de vida são fundamentais quando se trata de luto infantil.

Cerimônias de despedida: as crianças devem ou não participar?

Não há um consenso em relação à participação dos pequenos em rituais de despedida, cabendo aos pais a decisão final de levá-los. Mas, especialistas recomendam que as crianças sejam comunicadas a respeito do funeral, dando a elas a opção de presenciar ou não o último adeus. Caso a resposta seja “sim”, é essencial esclarecer o que acontece em um velório e também avisá-las que terão pessoas tristes no local.

De maneira alguma obrigue-a a participar das cerimônias, pois isso pode assustá-la e causar ansiedade. Do mesmo modo, não a impeça de comparecer à despedida, apenas explique antecipadamente que a pessoa falecida estará dentro uma grande caixa e que esse será o momento de vê-la pela última vez.

Leia mais: Como se comportar em velórios e funerais?

Conheça 5 filmes infantis que ajudam a entender o luto

Se a morte já é um grande tabu para os adultos, falar sobre a temática com o público infantil pode ser ainda mais complexo. Para ajudá-los nesse desafio, listamos 5 filmes que possuem uma abordagem leve e tratam sobre o tema com bastante sensibilidade. Confira:

1. O Rei Leão (1994 e 2019)

Esse clássico da Wall Disney conta a história de Simba, um pequeno filhote de leão que se vê desamparado diante da morte do pai, Mufasa. Além da dor da perda, o pequeno Simba acaba se culpando pelo que ocorreu, mas após conhecer alguns amigos pela savana, ele se convence sobre a importância de voltar para casa e seguir os ensinamentos que seu pai deixou. O Rei Leão traz uma das mensagens mais bonitas sobre valores, memórias e legado. Como diz o macaco Rafiki: “ele vive em você”.

Onde assistir: a versão de 2019 pode ser encontrada nos serviços de streaming Disney Plus e Prime Video.  

2. A Caminho da Lua (2020)

Uma garota chamada Fei Fei tem uma infância muito feliz, até se deparar com o falecimento precoce da mãe. Para superar a dor do luto, a menina se apega na lenda que cresceu ouvindo de sua progenitora sobre uma deusa que ficou presa na Lua ao ser separada de seu grande amor. A partir daí, inicia-se uma aventura para tentar ir à Lua e provar que as histórias da mãe sempre foram reais. O longa-metragem da Netflix transmite um lindo ensinamento sobre amor, esperança e superação.

Onde assistir: o filme está disponível no serviço de streaming Netflix.

3. Viva – A Vida é uma Festa (2017)

“A Vida é uma Festa” da Pixar chegou a vencer o Globo de Ouro 2018 na categoria de Melhor Filme de Animação. Esse título não foi por menos, pois a produção mescla a paixão do personagem Miguel pela música, resgatando a história de seus antepassados e a cultura mexicana. A canção tema do filme (“Lembre de Mim”) reforça a importância de manter o afeto e a memória por aqueles que não estão mais presentes fisicamente, destacando que o amor não-físico nunca acaba.

Onde assistir: o filme está disponível no serviço de streaming Disney Plus.

4. UP – Altas Aventuras (2009)

A animação gira em torno de Carl Fredricksen, um senhor que fica solitário após a perda de sua esposa, tornando-se uma pessoa ranzinza e de mal com a vida. No entanto, um menino chamado Russel surge para transformar o rumo da história, mostrando a Carl que a vida continua e que ainda é possível ir atrás dos sonhos sem a presença da companheira, pois o amor e as lembranças continuarão para sempre eu seu coração.

Onde assistir: o filme está disponível no serviço de streaming Disney Plus.

5. Operação Big Hero (2014)

O protagonista Hiro Hamada precisa lidar com a perda do irmão mais velho, sua grande inspiração na área da ciência e robótica. Após esse triste acontecimento, o pequeno conhece o robô inflável Baymax, que o ajuda a enfrentar a dor do luto e acaba tornando seu maior confidente e melhor amigo. Essa é mais uma produção ganhadora do Globo de Ouro e pode ser um grande aliado no momento de abordar o luto infantil.

Onde assistir: o filme está disponível nos serviços de streaming Disney Plus e Prime Video.

Indicação: livros para refletir sobre o luto

Morte também é assunto de criança

Por mais desconfortável que seja explicar o conceito de morte para o público infantil, esse diálogo não deve ser evitado. Conversar sobre o assunto é fundamental para que a criança consiga aprender a lidar melhor com os sentimentos e imprevistos ao longo da vida. O uso de uma linguagem acessível e de outras ferramentas – como os filmes infantis do tópico anterior – podem ajudá-lo(a) a enfrentar esse desafio.

Se a família estiver passando por um processo de luto recente, reserve um tempo para acolher as crianças. Assim como os adultos, os pequenos também reagem de formas diferentes e merecem atenção. Caso sejam observados comportamentos diferentes ou até mesmo agressivos, o ideal é procurar apoio psicológico para que essa perda não vire um trauma na fase adulta.

Luto infantil é coisa séria e deve ser tratado com muita sensibilidade, carinho e respeito.

Não perca nossos conteúdos!

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Compartilhe