por-que-a-morte-e-um-tabu-luto-curitiba

Por que a morte é tratada como um tabu?

Desde crianças somos direcionados(as) a termos medo da morte. Mesmo que de forma inconsciente,  evitamos falar abertamente sobre o assunto em nosso cotidiano e o associamos a sentimentos negativos, como dor, tristeza e sofrimento. O que deveria ser um evento natural – já que essa é a única certeza que temos na vida – ainda é tratado como tabu pela sociedade.

Uma pesquisa encomendada em 2018 pelo Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil (Sincep), constatou que 74% dos brasileiros não costumam conversar sobre a morte. Do número total de entrevistados, 48% consideram o assunto depressivo, 28% mórbido e 45% ainda afirmam não se sentirem confortáveis para participar de velórios e/ou enterros.

Continue a leitura e entenda a importância de desmistificar preconceitos e superstições acerca da finitude.

Desde quando o ser humano tem medo da morte?

Vivemos em uma sociedade despreparada para encarar o luto, mesmo sabendo que, mais cedo ou mais tarde, esse momento chegará para todos. Segundo psicólogos, esse medo é considerado uma herança social decorrente da era pré-histórica, quando o ser humano precisava caçar para garantir a sua sobrevivência e não sabia se conseguiria o almoço do dia ou se serviria como alimento para outro animal.

Outra explicação para o sentimento de aversão à morte pode ter relação com as influências culturais e religiosas. Na Alta Idade Média (do século V ao XII), a passagem de uma pessoa era vista com maior naturalidade, sendo considerada um acontecimento público. Logo que uma doença era descoberta, o indivíduo se isolava em um cômodo da casa junto de seus familiares, pedia perdão por seus pecados e ficava à espera do último suspiro. O momento não era dramático e não havia comoção diante da situação.

A partir do século XVIII, a morte passou a ter outra conotação. Ao contrário do que acontecia no passado, o luto se tornou exagerado e centrado totalmente na dor dos mais próximos. Foi nessa época que os corpos deixaram de ser enterrados nos pátios das igrejas e passaram a ser sepultados em cemitérios.

Foi no século XIX que ela começou a se tornar um tabu pela sociedade, quando a gravidade de uma doença era ocultada para poupar o enfermo do sofrimento. Com o avanço da medicina, houve um prolongamento da vida e, consequentemente, uma mudança drástica na representação social da morte. Agora, a despedida é solitária, sendo comum falecer sozinho em um leito de hospital.

Como o medo da morte afeta a qualidade de vida?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define saúde como um estado de completo bem-estar físico, mental e social, não sendo classificada apenas como a ausência de uma doença. Dessa maneira, a reflexão sobre a finitude também está diretamente relacionada à saúde, pois a partir dessa preparação é possível aceitar o luto com mais leveza.

No entanto, muitas pessoas procuram fugir dessa importante discussão e acabam desenvolvendo problemas emocionais que podem gerar impactos significativos na qualidade de vida. Os transtornos de ansiedade são muito comuns em indivíduos que têm medo de morrer e podem se apresentar de cinco diferentes formas:

1. Ansiedade generalizada: caracterizada pela preocupação e pensamentos negativos em excesso que causam estresse, inquietação e irritabilidade;

2. Fobias: medo excessivo e irracional de situações, objetos, pessoas, animais, etc.;

3. Ataques de pânico: ao contrário das fobias, a síndrome do pânico não é provocada por um medo específico e pode iniciar sem qualquer motivo. Geralmente, os ataques são identificados pelos seguintes sintomas: falta de ar, sensação de morte e taquicardia;

4. Transtorno obsessivo compulsivo: está associado a ideias ou pensamentos constantes, que podem vir acompanhados de obsessões – como o medo de atravessar a rua – ou comportamentos repetitivos, como conferir várias vezes a fechadura, por exemplo;

5. Transtorno de estresse pós-traumático: está relacionado a alguma situação traumatizante – como é o caso de um assalto – mexendo profundamente com o emocional.

Além dos distúrbios acima destacados, há um tipo de fobia definida pelo medo extremo da morte: a tanatofobia. Pacientes diagnosticados com esse transtorno psicológico sentem-se sempre assustados ou em alerta com situações que possam colocar a própria vida ou a dos mais próximos em perigo. Quadros depressivos, perda de controle e o distanciamento de ambientes que remetem à partida (funerais, cemitérios, hospitais, etc) são comportamentos que devem ser observados.

O acompanhamento psicológico, associado ao uso de medicamentos prescritos por especialistas (quando necessário) e ao apoio familiar, são as principais alternativas de tratamento para indivíduos com tanatofobia ou qualquer outro transtorno de ansiedade.

Veja também: dicas para cuidar da saúde mental.

Medo da morte e a pandemia da Covid-19

Desde o início da pandemia do coronavírus, a população tem sido bombardeada em todos os canais (televisão, rádio e internet) por notícias sobre o agravamento da doença e o número exponencial de mortes registradas. No entanto, o que pode ser para alguns uma busca por informação, para outros pode causar angústia e o desenvolvimento de problemas psicológicos.

De acordo com psicólogos, é importante que o medo natural de contrair o vírus esteja presente em todos, como um incentivo para tomar os devidos cuidados e mantê-los no cotidiano. Contudo, deve-se ter atenção quando essa emoção for um gatilho que paralisa o indivíduo e o impede de viver.

Os efeitos provocados pelo isolamento social também devem ser um sinal de alerta no que diz respeito à saúde mental. Um estudo realizado pelo Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), constatou que os casos de depressão quase dobraram durante a quarentena, enquanto a ansiedade e o estresse tiveram um crescimento de 80%.

Diante desse cenário pandêmico, o desenvolvimento de ações coletivas relacionadas ao bem-estar e à valorização da vida são fundamentais para a diminuição desses índices. Além disso, pessoas que perderam um ente querido para a Covid-19 ou que tiveram sequelas da doença precisam de acompanhamento contínuo de profissionais da saúde, para que o medo da morte não atrapalhe a qualidade de vida.

Educação para a morte no universo infantil

O tabu ao falar sobre a finitude cria raízes ainda na infância, quando o assunto é ocultado das crianças com a falsa concepção que elas ainda não entendem do assunto. Dessa forma, elas já crescem com uma má compreensão sobre o fim da vida e tendem a sofrer mais.

Mesmo que seja um tema delicado para os responsáveis conversarem com os pequenos, por meio de uma comunicação clara e uma linguagem adequada à idade, é possível explicar que a morte faz parte do ciclo de todos os seres vivos e que ela deve ser encarada com mais naturalidade. Nos casos de falecimento de familiares próximos (pai, mãe, avós, etc), o diálogo precisa ser assertivo para que a criança assimile o fato que a pessoa não voltará.

Frases corriqueiras como “ela virou uma estrelinha” ou até mesmo “ele viajou para bem longe e levará um tempo para retornar” não são aconselháveis, pois podem criar uma expectativa errada, transformando-a em sentimento de culpa, negação e revolta.

Saiba também: como lidar com a perda gestacional e neonatal.

Falar de morte também é falar de vida

Pode até parecer contraditório, mas a morte pode contribuir para o prolongamento da vida de muitos pacientes que necessitam de transplantes. A doação de órgãos, tecidos e células pode ser a única esperança de vida e a chance de um recomeço para quem precisa.

Desse modo, comunique seus familiares sobre o seu desejo de se tornar um doador e explique como essa atitude é um ato de amor e solidariedade. No Brasil, só é possível doar órgãos após o óbito com a autorização da família. Não há a necessidade de deixar nenhum documento por escrito, mas é fundamental que essa vontade seja comunicada ainda em vida.

Caso ainda tenha dúvidas, a Luto Curitiba também está sempre ao seu lado para acolhê-lo no momento em que a sua família mais precisa. Entre em contato com a nossa equipe pelo 0800 041 8021 ou WhatsApp (41) 3514-3514.

Não perca nossos conteúdos!

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email