o-que-sao-cuidados-paliativos

O que são os cuidados paliativos?

Milhões de pessoas ao redor do planeta sofrem anualmente com a descoberta de doenças sem prognóstico de cura ou em estágio terminal, que carecem de cuidados paliativos.  Isso é o que aponta o último relatório anual do Worldwide Palliative Care Alliance (WPCA)organização internacional não governamental de Cuidados Paliativos e Hospices – em que 57 milhões de pacientes e familiares necessitam desses tratamentos e do total, 7% são crianças.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define cuidado paliativo como “uma abordagem que melhora a qualidade de vida dos pacientes (adultos ou crianças) e de seus familiares que enfrentam problemas associados a doenças que ameaçam a vida”. Melhor dizendo, seu principal objetivo é aliviar o sofrimento por meio do diagnóstico precoce, amenização dos sintomas (sejam eles físicos ou psicológicos) e tratamento da dor.

De agora em diante, você entenderá sobre a importância e os benefícios dessas práticas no enfrentamento de doenças graves.

Os cuidados paliativos e o foco no bem-estar completo

A medicina paliativa é considerada por diversos especialistas como a melhor forma de oferecer bem-estar, conforto e dignidade no fim da vida. Ela não é centrada no tratamento de doenças já diagnosticadas como incuráveis, mas sim no controle dos sintomas que podem prejudicar a qualidade de vida e desencadear novas comorbidades.

Nesses casos, pacientes e familiares são assistidos por uma equipe multidisciplinar que oferece todo o suporte necessário para o gerenciamento de transtornos mentais, físicos, emocionais, sociais e espirituais. Além do tratamento medicamentoso para alívio da dor, eles também contam com a ajuda de psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, nutricionistas, assistentes sociais, recreadores infantis e diversos outros profissionais que auxiliam no enfrentamento da doença, para que todos os envolvidos se sintam mais confortáveis diante da nova condição.

Esse trabalho, quando realizado de forma integrada, é fundamental para ajudá-los a lidar com a enfermidade de maneira mais positiva, contribuindo com a autoestima, a autonomia e até mesmo impedindo que os impactos emocionais limitem o tempo de vida dessas pessoas.

Conheça os principais benefícios da abordagem:

  • Promove o controle dos sintomas físicos, como: dores, febre, cansaço e indisposição
  • Oferece apoio psicossocial ao longo do tratamento
  • Traz uma outra visão sobre a morte, reafirmando-a como um processo natural no ciclo da vida
  • Eleva a qualidade de vida dos pacientes, por meio de atividades do cotidiano: ler um livro, assistir filmes, brincar (em caso de crianças), cozinhar, etc
  • Disponibiliza apoio espiritual independente da crença ou religião, abordando questões relacionadas ao sentido da vida e à finitude
  • Oferece acompanhamento aos familiares durante o luto
  • Não objetiva apressar e nem adiar a morte.

Apesar da medicina paliativa contribuir significativamente no que diz respeito ao aumento do bem-estar de pessoas enfermas, no Brasil ela ainda é bastante descriminada pelos próprios profissionais da saúde. Segundo a Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP), a abordagem é bastante confundida com a eutanásia e o uso de medicamentos para alívio da dor (como a morfina) ainda são muito desprezados.

Confira as indicações de livros para refletir sobre o luto.

A distinção entre cuidados paliativos e eutanásia

Ao se descobrir uma doença incurável ou até mesmo um câncer em fase terminal, a jornada trilhada costuma ser bastante desgastante e a carga emocional muito alta. Nesse processo, diversos tratamentos podem ser realizados por meio de cirurgia, quimioterapia e medicamentos que prometem o aumento da expectativa de vida, mas que, em paralelo, acabam gerando mais sofrimento.

A filosofia paliativa surgiu justamente como uma forma de oferecer mais conforto a esses pacientes, permitindo que tenham uma vida mais próxima da normalidade e consigam aproveitar seus últimos dias, meses ou até mesmo anos de uma forma mais leve.

No entanto, os cuidados paliativos ainda são confundidos com a eutanásia – também conhecida como morte assistida – e que tem por objetivo aliviar o sofrimento, através de procedimentos que abreviam a morte. Essa prática proibida no Brasil e na maior parte do mundo, sendo legalizada apenas em alguns países da Europa, Canadá, Estados Unidos e Colômbia.

Ou seja, as abordagens paliativas não visam abreviar a morte de forma proposital como na eutanásia, mas pretendem manter o conforto e o bem-estar do paciente no sentido mais amplo, independentemente do tempo de vida que ainda o resta.

Dicas essenciais para cuidar da saúde mental.

Onde os cuidados paliativos são realizados?

Os tratamentos podem ser realizados dentro de hospitais que possuem programas específicos (como os especializados em oncologia), hospices, casas de repouso e em domicílio quando o paciente apresenta a capacidade funcional prejudicada. Àqueles que ainda possuem total autonomia, independência e mobilidade podem se deslocar até o local sempre que houver alguma consulta ou recurso terapêutico agendado.

Independente do ambiente, os cuidados paliativos devem estar à disposição 24 horas por dia, durante os 7 dias da semana. Apenas os médicos responsáveis e sua equipe podem conversar com os enfermos e a família para a definição do melhor tipo de abordagem para cada caso.

O que são hospices? 

Ainda que o termo hospice (hospedarias) tenha surgido na antiguidade – quando os monastérios abrigavam peregrinos, viajantes, mulheres em trabalho de parto e doentes que necessitavam de acolhimento – o chamado movimento hospice moderno teve início na década de 1960 com a inglesa Cicely Saunders.

Após a Segunda Guerra Mundial, ela se dedicou ativamente ao trabalho como assistente social e enfermeira voluntária, atuando no alívio da dor em pacientes terminais. Por meio dessa experiência, anos depois Cicely se graduou em medicina e em 1967 inaugurou o St Christopher’s Hospice, o primeiro local dedicado ao controle dos sintomas em pacientes com enfermidades graves e voltado ao cuidado humanitário, ensino tecnológico e à valorização científica.

“Você é importante porque você é você. E você é importante até o fim da sua vida. Faremos todo o possível não só para ajudá-lo a morrer em paz, mas também para fazer você viver até o momento de morrer.” – Cicely Saunders

Diferente do ambiente hospitalar, que possui um clima mais hostil e impessoal, os hospices têm uma atmosfera acolhedora, com uma infraestrutura projetada para que o paciente se sinta em casa.  Nesses locais a visitação não tem restrição de horários, sendo possível levar objetos pessoais e até mesmo ter a companhia de um animal de estimação. Além disso, existem espaços de convivência como jardins, que permitem o contato com os demais pacientes, amigos e familiares.

Embora sejam muito comuns na Europa e nos Estados Unidos, esses centros de cuidados paliativos ainda não se popularizaram no Brasil e os principais motivos são: a pouca aceitação das práticas pelos médicos, a falta de investimento do governo e os valores inacessíveis dos hospices privados.

Felizmente, já existem locais que trabalham com essa abordagem no país de forma gratuita. Um desses exemplos é do Hospital Erasto Gaertner, localizado em Curitiba/PR e referência no tratamento de pessoas diagnosticadas com câncer, que inaugurou em janeiro de 2020 a primeira unidade de cuidados paliativos do sul do Brasil com atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O espaço foi construído com a finalidade de melhorar a qualidade de vida dos pacientes que não têm mais alternativas terapêuticas, através do atendimento humanizado e da preocupação com o bem-estar completo tanto deles, quanto de seus familiares.

Medicina paliativa na terceira idade

Em virtude do crescimento da expectativa de vida da população e, consequentemente, do aumento da terceira idade, o olhar para a medicina paliativa tende a ser mais requisitada nos próximos anos. Projeções realizadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que em 2060 um quarto da população brasileira será idosa, o que representa 58,2 milhões de pessoas.

A idade avançada também pode trazer consigo problemas de saúde que precisam ser observados de perto por familiares e profissionais. Doenças crônicas-degenerativas como Alzheimer, demência e Parkinson podem perdurar durante anos e necessitam de cuidados paliativos para a melhora da qualidade de vida do idoso.

Doenças preexistentes ou que afetam a capacidade funcional (como o AVC) também podem tirar a autonomia e independência na terceira idade, diante de tarefas simples como tomar banho ou escovar os dentes. Nesses casos, os tratamentos paliativos também são benéficos e podem ser realizados na modalidade home care (ou seja, de forma domiciliar).

Em 31 de outubro de 2018 foi aprovada a Política Nacional de Cuidados Paliativos no âmbito do SUS. De acordo com o art. 5º da resolução nº 41, os cuidados paliativos pelo SUS estão disponíveis à população em cinco frentes: atenção básica, atenção domiciliar, atenção ambulatorial, atenção hospitalar e, urgência e emergência.

Por que aprender tem tudo a ver com qualidade de vida?

O luto

Preparar-se para o luto em situações de doenças graves ou terminais pode ser uma experiência muito dolorida, tanto para o paciente que precisa ter consciência da própria morte, quanto para a família que se sente culpada e vulnerável por não poder encontrar a cura. Esse período é chamado de luto antecipatório, quando o ente querido ainda não se foi, mas os familiares já sentem a perda.

A medicina paliativa também pode contribuir nesse sentido, por meio de uma equipe de profissionais qualificada para abordar sobre a finitude da vida e os aprendizados que podem ser tirados diante dessa difícil experiência.

A Luto Curitiba também está sempre ao seu lado para acolhê-lo no momento em que a sua família mais precisa. Entre em contato com a nossa equipe pelo 0800 041 8021 ou WhatsApp (41) 3514-3514.

 

Não perca nossos conteúdos!

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email