Coronavírus: o que você precisa saber sobre a doença?

Coronavírus: o que você precisa saber sobre a doença?

Atualizado em 02 de julho de 2021, às 09:00.

Em Dezembro de 2019, uma nova doença ganhou notoriedade na mídia: o Coronavírus. Os primeiros casos do quadro infeccioso foram detectados na China e, desde então, a enfermidade se espalhou por todo o mundo, elevando a situação à categoria de pandemia.

No Brasil, a primeira confirmação ocorreu em 26 de fevereiro de 2020, após o retorno de um cidadão em viagem à região italiana da Lombardia. O fato provocou mobilização por parte das agências de saúde e exigiu que a população se adaptasse a uma nova rotina. Hoje, o número de infectados no país ultrapassa 18 milhões de infectados e supera a marca de 520 mil mortos, fazendo com que a nação esteja entre as principais no número de vítimas em todo o mundo.

Frente ao quadro de pandemia, é necessário reforçar o cuidado com a saúde a fim de evitar o contágio. Por isso, preparamos um artigo para esclarecer os principais pontos sobre a doença e listamos algumas medidas para prevenção.

O que é o coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus responsável por causar infecções respiratórias. O contágio pode ocorrer pelo ar, secreções ou pelo contato próximo com indivíduos, objetos ou superfícies contaminadas.

A COVID-19 é conhecida como a primeira variante da doença, mas desde o início da pandemia outras mutações já foram identificadas no Reino Unido, África, Brasil e Índia.

Quais são os sintomas do coronavírus?

Os sintomas da doença são muito semelhantes aos de um resfriado comum e incluem coriza, tosse, dor de garganta, dor de cabeça e febre. Em pacientes que apresentam sistema imunológico enfraquecido, como idosos, recém-nascidos e pacientes crônicos, há chances de que o quadro evolua para pneumonia ou bronquite.

Com a evolução da enfermidade, também é possível observar outros sinais, como fadiga excessiva, dores musculares, perda do olfato e paladar, cefaleia, dificuldade para respirar e calafrios. Ao mesmo tempo, os estudos também apontam que há pacientes assintomáticos, ou seja, pessoas que não experienciam os sintomas, mas que possuem a doença e têm potencial de contágio.

Importante: o vírus pode ficar incubado por duas semanas, período em que se manifesta a infecção. Por isso, caso identifique qualquer sinal preocupante, comunique imediatamente à unidade de saúde mais próxima de sua residência. Em Curitiba, é possível entrar em contato direto com o número 3350-9000  ou pelo WhatsApp (41)9876-2903 disponibilizado pela Prefeitura.

Cuidado com a desinformação

Desde os primeiros diagnósticos de coronavírus, muitas informações incorretas têm sido compartilhadas, dificultando o trabalho de prevenção e diagnóstico. Por isso, separamos os tópicos mais discutidos e indicamos os mitos e verdades sobre esse assunto.

Produtos chineses podem transportar o vírus para outras regiões?
Falso. Estima-se que o tempo de sobrevivência do vírus fora do corpo humano seja de 24 a 48 horas. No entanto, por fins de prevenção, é recomendado que compras e quaisquer objetos sejam higienizados com água e sabão ou álcool em gel 70%.

O vírus do HIV e do coronavírus é o mesmo?
Falso. Não há qualquer registro científico que aponte semelhanças entre os dois vírus. Dessa forma, a medicação de um, não tem qualquer impacto no tratamento de outro.

Animais domésticos podem transmitir a doença?
Falso. Há estudos que afirmam a possibilidade de infecção por parte de animais domésticos. No entanto, os resultados são pouco conclusivos em relação ao contágio entre o vetor animal e tutor humano. De qualquer forma, se recomenda a higienização correta das mãos após a interação.

Há alguma medida de prevenção? 
Verdade. A primeira medida é evitar o contato com qualquer indivíduo que apresente os sintomas da doença ou que possua infecções respiratórias graves. Reforçar a higiene também é essencial:

– O COVID-19 é composto por lipídios, ou seja, gorduras. A forma mais fácil de destruir sua estrutura é por meio da higienização com água e sabão. Por isso é tão importante manter as mãos limpas. Quando não for possível ter acesso a esses recursos, realize a limpeza com álcool em gel 70%;
Não compartilhe itens de uso pessoal, como copos, talheres ou garrafas;
Cubra nariz e boca sempre que tossir ou espirrar;
Evite tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
– Prefira sempre lenços descartáveis às versões de tecido;
– Mantenha ambientes compartilhados sempre limpos e ventilados;
– Na hora de cumprimentar alguém, evite o contato físico (beijos e abraços);
– Ao frequentar espaços públicos, como ônibus, supermercados e bancos, utilize máscara e evite a aproximação com outros indivíduos;
– Ao adotar máscaras, sejam descartáveis ou de tecido, lembre-se de trocá-las a cada 2h ou quando estiverem úmidas para manter sua capacidade preventiva.

Evitar aglomerações (festas, confraternizações, ambientes fechados) também é uma recomendação das agências de saúde.

Já existe cura para o coronavírus?

Verdadeiro. A vacinação contra a Covid-19 é a única forma eficaz de criar uma resposta imunológica contra a doença e reduzir drasticamente os casos mais graves, evitando a alta da taxa de mortalidade e as sequelas em pacientes. No Brasil, a imunização teve início em janeiro de 2021 e segue avançando aos poucos em todo o país. Hoje, mais de 74 milhões de pessoas receberam ao menos a primeira dose do imunizante (cerca de 32% da população) sendo que, o total de doses totais aplicadas ultrapassa 100 milhões.

O Governo do Estado do Paraná divulgou calendário de vacinação contra a Covid-19 para população geral acima de 18 anos:

4 de junho a 18 de julho – 59 a 40 anos;

19 de julho a 22 de agosto – 39 a 30 anos;

23 de agosto a 19 de setembro – 29 a 20 anos;

20 a 30 de setembro – 19 e 18 anos.

Importante ressaltar que não há qualquer medicamento, substância, vitaminas, chás ou alimento específico que garanta o tratamento, apenas a vacina. Mesmo a hidroxicloroquina e cloroquina, remédios que passaram a ser receitados como tratamento para a COVID-19, ainda não possuem unanimidade na comunidade científica e a eficácia têm sido testada em estudos experimentais.

Enquanto a maior parte da população (cerca de 70%) não estiver vacinada, a principal recomendação é a manutenção dos hábitos de higiene, uso de máscara e distanciamento social.

Cuidado com a automedicação!

Muitas pessoas têm o costume de tomar remédios sem a prescrição médica assim que identificam qualquer incômodo no corpo e essa atitude traz consigo grandes riscos à saúde. A Organização Mundial de Saúde recomendou que pacientes que tenham os sintomas da doenças evitem a automedicaçãoAlém de dificultar o tratamento, o hábito pode ocasionar intoxicação e, em casos mais severos, provocar óbito. A profilaxia, medicação com propósito preventivo, também é desencorajada.

O coronavírus pode matar?

Sim. Em função das complicações decorrentes da doença, alguns pacientes desenvolvem quadros de insuficiência respiratória que podem resultar em óbito. Logo, adotar medidas voltadas à prevenção é indispensável.

Atenção: há grupos de risco com maior probabilidade de contrair a doença. Em geral, pacientes com idade avançada, crianças menores de 2 anos, gestantes e pessoas com doenças crônicas que comprometem a imunidade – como diabetes e pressão alta – demandam atenção redobrada. Porém, é importante ressaltar que todos estão sujeitos ao contágio da doença e têm importante papel na prevenção.

Para conferir os últimos quadros da doença – infectados, recuperados e óbitos -, consulte os Boletins Epidemiológicos disponibilizados pelo Ministério da Saúde.

Contar com prevenção é essencial nesse momento. Conheça os planos funerais da Luto Curitiba e solicite seu orçamento.

Qual é o papel do isolamento na contenção da pandemia?

Medidas para conter a pandemia têm sido tomadas em todo o planeta: cancelamento de aulas pelas instituições de ensino, fechamento de negócios de caráter não essencial e a adoção do trabalho remoto. O isolamento é uma importante medida para diminuir a curva de propagação do vírus e, por consequência, o número de diagnósticos e mortes.

A Luto Curitiba dá prioridade aos atendimentos remotos. Contratação de planos funerais e questões relacionadas à cobrança ou ao setor administrativo podem ser resolvidas pelo WhatsApp (41) 3514-3514 ou pelo telefone 0800 41 8021.

Caso o associado deseje comparecer a alguma das unidades para a atendimento presencial, solicitamos que cumpram algumas recomendações:
– Utilize máscara em respeito à Lei estadual lei 20.189;
– Respeite o distanciamento proposto pelo local e permaneça atrás dos painéis dos caixas e unidades de atendimento;
– Não visite o escritório com acompanhantes, a menos que seja extremamente necessário.

O atendimento a óbitos permanece em funcionamento regular na R. Celestino Júnior, 11 e pode ser acionado a qualquer 24 horas por dia, 7 dias da semana, pelo telefone 0800 41 8021.

Cuidado com fake news!

Para conferir todas as atualizações sobre notícias falsas a respeito desse tema, consulte a página do Ministério da Saúde ou entre em contato com a Ouvidoria do SUS 0800 644 4414. Lembre-se: a internet é território para desinformação. Por isso, consulte apenas fontes oficiais e confiáveis.

Todos as situações de pacientes com a suspeita da doença estão sendo monitorados pelas autoridades responsáveis. A melhor medida é evitar ambientes de aglomeração, incorporar hábitos de higiene em seu cotidiano e seguir as orientações das agências de saúde oficiais. Caso note qualquer sintoma relacionado à doença, compareça ao médico mais próximo ou recorra ao TeleSUS.

Não perca nossos conteúdos!

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email