Inventário: como fazer?

Meu familiar faleceu: como fazer o inventário?

*Por Pedro Henrique de Góis

O óbito de uma pessoa é um evento que produz diversos efeitos jurídicos de enorme relevância e que exige a tomada de providências práticas por parte dos familiares mais próximos do falecido. Embora o conceito de herança seja notoriamente conhecido, é inegável que o tema demanda profundo conteúdo técnico, sendo imprescindível o assessoramento por profissional da área para a resolução adequada de todas as questões envolvidas.

O especialista para lidar com todos esses trâmites é o advogado. Ele possui a prerrogativa legal e exclusiva de representar e de assessorar as pessoas tanto em processos judiciais, como em lavraturas de escrituras públicas extrajudiciais de inventário.

O que é preciso saber antes de fazer o inventário?

O primeiro ponto a ser esclarecido é o conceito de herança. Herança é, basicamente, o conjunto de todos os bens e direitos de um indivíduo. Exatamente no momento em que uma pessoa morre, este conjunto é transmitido aos seus herdeiros.

Mesmo que, juridicamente, essa transmissão seja automática, é necessário que os herdeiros busquem o Poder Judiciário ou um tabelionato de notas (a depender do caso) para dar início a um processo de inventário. É por meio dele que os bens do falecido serão listados e efetivamente transferidos aos herdeiros.

O segundo tópico a ser respondida é: quem são os herdeiros? Resumidamente, existem duas categorias possíveis: a dos herdeiros legítimos e a dos herdeiros testamentários.

No Brasil, é bastante raro que pessoas façam testamentos, portanto são incomuns as situações de existência de herdeiros testamentários. A regra orientadora da confecção de testamentos é bastante simples: uma pessoa pode “testar” o seu patrimônio em benefício de qualquer outra pessoa, salvo algumas exceções legais e determinados limites. Ou seja, praticamente qualquer um pode ser herdeiro testamentário.

Já os herdeiros legítimos estão previstos em lei e a sua ordem respeita a percepção que a sociedade já possui sobre herança. A hierarquia é: descendentes, em concorrência com o cônjuge ou companheiro (a depender do regime de bens do casamento ou da união estável); ascendentes, em concorrência com o cônjuge ou companheiro; o próprio cônjuge ou companheiro; e colaterais.

Ou seja, prioritariamente, a herança do falecido é transmitida para os seus filhos, em conjunto com o cônjuge/companheiro, se houver. Não havendo filhos, a herança é transmitida aos pais em conjunto com o cônjuge/companheiro, se houver – e assim sucessivamente.

Como dar início ao processo?

São os herdeiros que podem requerer a abertura de um processo de inventário e isso leva ao terceiro esclarecimento necessário: como fazer o inventário e quais as opções possíveis?

O primeiro passo é procurar um advogado, pois apenas esse profissional pode atuar na questão. Em segundo lugar, é preciso analisar as circunstâncias a respeito da situação da pessoa que faleceu.

Caso todos os herdeiros sejam civilmente capazes (maiores de idade e dotados de plena capacidade de exprimir vontade), exista acordo em relação à partilha de bens (não haja desentendimentos) e não haja testamento deixado pelo falecido¹, o inventário pode ser realizado extrajudicialmente, em um tabelionato de notas.

Esse é o método mais rápido e barato para resolução dessa questão. Se os herdeiros não tiverem condições econômicas, podem solicitar o benefício da assistência judiciária e a isenção do pagamento das custas cartoriais. É necessário o visto de advogado para que a escritura seja lavrada, mas nada impede que o mesmo profissional atue em proveito de todos os herdeiros.

Não havendo o cumprimento dos requisitos necessários ao inventário extrajudicial, é necessária a realização do processo pela via judicial. O pior cenário possível é aquele em que há desentendimentos entre os herdeiros, exigindo que cada parte contrate o seu próprio advogado e submeta o litígio ao crivo de um Juiz. Não são raros, infelizmente, os inventários que tramitam durante anos ou até mesmo décadas perante o Poder Judiciário.

¹No Estado do Paraná, existe um Ofício Circular (nº155/2018) emitido pelo Departamento da Corregedoria-Geral de Justiça do TJ-PR que autoriza a realização de Inventários extrajudiciais mesmo na hipótese da existência de testamento.

Saiba mais: Veja como declarar o IR 2020 de contribuinte falecido em 2019

O inventário tem custos adicionais?

Por fim, importante dedicar algumas palavras sobre o Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD)A transmissão de bens pela via da sucessão por morte é tributável via imposto. Desta forma, a incidência do ITCMD em processos de inventário é uma realidade comum e quotidiana. Logo, é indispensável que as pessoas tenham ciência da existência deste custo adicional antes de iniciar um inventário, pois não é raro que os valores deste tributo sejam bastante expressivos.

A competência deste tributo é estadual, sendo que cada estado da Federação tem a prerrogativa de estipular suas próprias alíquotas. No Estado do Paraná, por exemplo, a alíquota é atualmente de 4%, calculada sobre o valor de mercado dos bens transmitidos. O contribuinte é o herdeiro e existem algumas hipóteses de não-incidência e de isenção tributária (nas quais o imposto não é cobrado).

Em resumo, todo o cenário anteriormente descrito representa apenas um quadro geral do direito sucessório. Cada caso deve ser analisado individualmente e diversos fatores podem sobrevir em situações específicas. Além disso, o processo pode contar com outros elementos, como seguros de vida e demandas previdenciárias. Por isso, a recomendação é realizar um planejamento sucessório por intermédio de advocacia consultiva.

* Pedro Henrique de Góis é bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), pós-graduando em Direito das Famílias e Sucessões pela Academia Brasileira de Direito Constitucional (ABDConst), advogado inscrito na OAB/PR sob o nº 70.489, sócio do escritório Lima & Góis Advogados.

www.limaegois.com.br | @limaegois | contato@limaegois.com.br

Não perca nossos conteúdos!

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email